yourvida.com. Actividade de assistència
médica
on line . Site com mais de 1.000.000  visitas.Oportunidade única T: 351.931151420 ou
e-mail seu problema
yourvida.com  atingiu um volume de procura de respostas
a âmbitos muito diversos e é pela necessidade de
prestarmos melhores serviços que nos vimos na obrigação
de ter conosco profissionais com habilitações académicas
na aréa de Medicina.Para resposta faça-o pelo telef
351931151420 ou por e mail. conselhos gratis

Modelos de Intervenção
A medicação.

Terapia comportamental

A DDAH é considerada uma perturbação com uma relação
estreita com o meio. De acordo com Mary Fowler (2000), as
expectativas e as exigências do meio, têm um impacto
directo nas dificuldades que as crianças com DDAH
sentem. Nos ambientes onde se espera que a criança seja
mais vista do que ouvida, onde se requer que ela preste
atenção e que exiba um comportamento calmo e exemplar,
os problemas tendem a agravar-se. Assim, a compreensão
que as pessoas significativas, sobretudo os adultos com
quem a criança convive diariamente, tiverem da
problemática da DDAH, determinarão a exibição mais ou
menos expressiva dos sintomas de hiperactividade, de
impulsividade e de desatenção.

Adultos informados e conhecedores dos sintomas da
DDAH, serão capazes de estruturar os ambientes de tal
forma que o comportamento da criança se torne adequado
e a criança sinta sucesso. Desta forma, em vez de se
esperar que seja apenas a criança a modificar-se é o
ambiente onde ela interage que se deve modificar e
ajustar por mediação do adulto. Ao adulto compete, ainda,
providenciar encorajamento para que os comportamentos
adequados se repitam.

As crianças com comportamentos hiperactivos-impulsivos
e com falta de atenção constituem um grupo heterogéneo.
O conhecimento da situação particular de cada caso
permitirá determinar a melhor forma de tratamento,
variando as opções entre a administração de
psicofármacos, as técnicas de modificação do
comportamento, as técnicas cognitivas e metacognitivas
ou uma aproximação multidisciplinar englobando as
diferentes vertentes. A adequação dos programas
escolares deverá ser uma vertente fundamental nas
opções de tratamento, pois é na escola onde se
manifestam mais os sintomas que impedem uma
aprendizagem normal.



A medicação
Embora rodeado de alguma controvérsia, o uso de
medicamentos continua a receber o apoio da investigação
sobretudo quando usado em conjugação com outras
terapias.

Um dos estudos mais recentes realizados nos Estados
Unidos com mais de meio milhar de crianças, conduzido
por seis equipas diferentes de investigadores espalhadas
pela América e patrocinado pelo Departamento de
Educação Americano, foi o Multimodal Treatment Study of
Children with Attention Deficit Hyperactivity Disorder (MTA).
Este estudo desenrolou-se ao longo de 14 meses e tinha
como objectivo principal o estudo da eficácia, a longo
prazo, do tratamento médico com fármacos e do  
tratamento comportamental de  crianças com Desordem
por Défice de Atenção com Hiperactividade (MTA, 1999).

No estudo foram comparadas quatro metodologias de
tratamento da DDAH: (1) tratamento médico sistematizado
com fármacos, com dosagem regulada mensalmente
("medication management"); (2) tratamento comportamental
intensivo; (3) os dois tratamentos anteriores combinados;
(4) o tradicional método de acompanhamento pelo
profissional de saúde local, que na maioria dos casos
também incluía medicação.

Os resultados do estudo apontam para uma eficácia
indiscutivelmente superior dos tratamentos que incluíram
a administração de psicofármacos. Mesmo o processo
tradicional de prescrição pelo médico assistente se
mostrou superior ao uso apenas de tratamento
comportamental.

Uma constatação importante deste estudo é o facto de o
tratamento combinado produzir resultados superiores a
qualquer outro tratamento com uma dosagem inferior de
medicamentos. Esta será, pois, a opção de eleição para os
casos em que os efeitos secundários, cuja intensidade
está dependente da dosagem, se fazem sentir com maior
intensidade.

Outro aspecto a ter em conta, e  que os profissionais de
saúde que receitam os medicamentos devem ter presente,
é o facto de se ter verificado, neste estudo, que se o
acompanhamento dos indivíduos que estão a ser
medicados for sistemático, isto é, com a dosagem ajustada
mensalmente ao evoluir dos sintomas de acordo com o
feedback fornecidos pelos pais e, eventualmente, pelos
professores, obtêm-se resultados superiores àqueles
verificados no processo em que o médico se limita a
prescrever sem mais acompanhamento, como é habitual na
generalidade dos serviços de saúde (Taylor, 1999).

Os medicamentos mais utilizados são psicoestimulantes
como o Dexedrine e Ritalin  baseados na Dextroanfetamina
e no Metilfenidato respectivamente (este último era o
medicamento de base no estudo que referimos antes).

Não é muito bem conhecido o mecanismo de actuação
destas drogas, presumindo-se que estimulam os
neurotransmissores do cérebro, produzindo um efeito
regulador mais eficaz na actividade motora, aumentando a
atenção, reduzindo a impulsividade (e, nalgumas crianças,
a agressividade) e produzindo uma melhoria substancial
naquilo que mais preocupa pais e educadores - o
rendimento escolar.

Quando os efeitos secundários, ou qualquer outra razão,
desaconselham o uso de estimulantes, é frequente usar os
antidepressivos que, para além de diminuirem os sintomas
de DDAH e  agressividade, podem reduzir os sintomas de
depressão e de ansiedade, que por vezes andam
associados às DDAH.



Terapia comportamental
O tratamento comportamental deve basear a sua linha de
actuação em três vertentes: o treino dos pais, o tratamento
centrado na criança e a intervenção centrada na escola.

De acordo com Vasquez (1997), a estratégia de intervenção
deve seguir, de uma forma geral, os passos das técnicas
de modificação do comportamento, a saber: (1) definição
operacional do comportamento indesejado; (2)
estabelecimento da linha de base; (3) definição dos
factores que motivam o comportamento e o fazem
persistir;  (4) aplicação do programa de alteração do
comportamento com recurso sobretudo ao reforço; (5)
avaliação do processo. Esta estratégia tem em conta que
um determinado comportamento é influenciado pelos
antecedentes e que a sua repetição estará dependente
dos consequentes. Manipulação nestas variáveis poderá
conduzir a alterações comportamentais duradoiras.

Em linguagem mais simples, o objectivo de qualquer
terapia comportamental consiste em reduzir a frequência
de comportamentos inadequados e aumentar a frequência
de comportamentos desejados. Como diz Fowler (2000), a
melhor maneira de influenciar um determinado
comportamento é prestar-lhe atenção e a melhor maneira
de aumentar a frequência de um comportamento desejado
é "apanhar a criança a portar-se bem".

No que concerne à família é sabido que a criança com
DDAH terá mais facilidade de adaptação em ambientes
familiares bem estruturados e baseados em rotinas e
regras claras, onde as expectativas dos adultos são
consistentes e as consequências são estabelecidas com
clareza e aplicadas de imediato.

Vasquez (1997) salienta que no seio da família a disciplina
deve servir-se  de técnicas comportamentais como o time-
out, o preço da resposta, etc.

O trabalho com os pais deverá, pois, ter por base o treino
em estratégias que lhes permitam controlar o
comportamento dos filhos e melhorar a sua interacção com
os colegas. Para tal devem usar duas estratégias
essenciais: apresentar modelos comportamentais
adequados, já que a criança aprende muito por imitação, e
aplicar reforços positivos aos comportamentos adequados,
ignorando tanto quanto possível, os menos adequados.

As estratégias de modificação do comportamento
habitualmente mais usadas têm por objectivo induzir
respostas adequadas, isto é, aumentar a probabilidade de
que um comportamento desejável se repita e diminuir a
probabilidade de aparecimento de comportamentos
inadequados, levando-os à extinção. É necessário ter
presente que um comportamento inadequado só se
extingue quando é substituído por um comportamento
socialmente aceitável.

As técnicas comportamentalistas, que têm por base o
modelo ABC (Antecedentes - Behavior - Consequentes) e
que são mais eficazes, são as seguintes (Vasquez , 1997):

Programas para o incremento de comportamentos
desejáveis

Reforço social e material - consiste em aumentar a
probabilidade de ocorrência de comportamento através da
recompensa (uma atenção, um louvor, um sorriso, um
"Bom", um afecto, um rebuçado...). O reforço deve ser
individual, seguir imediatamente o comportamento
desejado, ser fornecido de forma sistemática, inicialmente,
para depois ser gradualmente retirado.

Contratos comportamentais - duas ou mais pessoas
estabelecem com o aluno um acordo escrito onde
determinam o comportamento desejado e as consequência
que advirão da sua ocorrência ou não.

Sistema de créditos ou economia de fichas - Pontos ou
fichas concedidos logo após a realização de um
comportamento positivo e, mais tarde, trocáveis por
determinadas recompensas.



Programas que visam a diminuição de comportamentos
indesejáveis

Abolição -  ignorar os comportamentos desajustados

Custo da resposta - perda de uma recompensa esperada.

Time-out - tempo fora da classe.

Reforço de comportamentos substitutivos



Programas de aplicação em grupos:

O comportamento de uma criança leva a que toda a turma
seja recompensada.

Todo o grupo trabalha para um objectivo para conseguir a
recompensa


Diabetes
A insulina é uma hormona produzida pelo pâncreas, sendo
a principal substância responsável pela manutenção dos
valores adequados de açúcar no sangue. A elevação das
concentrações de açúcar no sangue depois de comer
estimula o pâncreas para produzir a insulina, a qual evita
um maior aumento dos valores de açúcar e provoca a sua
descida gradual. Na diabetes este mecanismo de
compensação não funciona.

Dermatite atópica
A dermatite atópica afecta cerca de 10% das crianças
portuguesas. Mais conhecida por eczema, é uma doença
crónica da pele que tende a desaparecer com a idade.
Raras vezes volta, outras vezes dá lugar a doenças
alérgicas do foro respiratório.

Osteoporose
A osteoporose é uma doença caracterizada pela perda de
cálcio dos ossos que, por isso, se tornam mais frágeis e
sofrem fracturas com facilidade, após traumatismos de
pequena intensidade, como quedas ocasionais.  


Congresso Internacional PRACTICE 2007

O Congresso Internacional Practice 2007: Prevenção e
Reabilitação Activa com o Exercício, realizar-se-á nos
próximos dias 4 e 5 de Maio, no Auditório da Estação de
Metro do Alto dos Moinhos, em Lisboa.

“O exercício físico regular é essencial para a saúde. Reduz
o peso, melhora o tónus muscular e a função cardíaca,
normaliza a tensão arterial e evita perturbações do sono."

"Também previne a obesidade e a diabetes, por diminuição
da resistência periférica à insulina. Praticar desporto ou
pelo menos andar a pé, três vezes por semana durante 30
minutos é o mínimo que cada um de nós pode fazer pela
sua saúde.” Estas palavras da Profª Doutora Maria do Céu
Machado, Alta-Comissária da Saúde, foram redigidas para o
preâmbulo desta iniciativa representando o âmbito do
Congresso Internacional Practice 2007 – Prevenção e
Reabilitação Activa com o Exercício.

Este evento tem como objectivo geral a divulgação e
discussão dos efeitos terapêuticos do exercício e
desporto na Obesidade e Saúde Cardiovascular,
salientando as sinergias que podem ser criadas entre a
psicologia e medicina.

Organizado por:

Club Clínica das Conchas
Departamento de Medicina do Exercício

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias
Departamento de Educação Física, Desporto e Lazer
(Centro de Estudos em Exercício e Saúde)

• Ventilação inadequada transforma escritórios em focos de
infecção pulmonar
Para alertar para os problemas respiratórios causados por
factores vários e principalmente pelo meio ambiente, a
Associação Nacional de Doenças Respiratórias, em
colaboração com a associação Portuguesa de Asmáticos e
as Sociedades de Pneumologia e de Alergologia, realiza a
Feira do Pulmão.

• Diabetes bloqueada por células estaminais
Cientistas brasileiros e norte-americanos usaram
transfusões de células estaminais dos próprios doentes
para reverter diabetes de tipo 1.

Dia Mundial da Menopausa
As mulheres em menopausa com sintomas
constrangedores podem, geralmente, ser ajudadas com
facilidade e segurança. Os riscos de muitos tratamentos
eficazes – terapia de substituição hormonal (TSH) – foram
com frequência exagerados, em particular para as
mulheres em início de TSH na menopausa.




A menopausa: uma peça de um puzzle que é o
envelhecimento
A vida sexual modifica-se na menopausa, mas outros
sintomas e alterações acabam por afectar as mulheres
nesta fase da vida. A falta de uma terapêutica adequada
pode contribuir para o agravamento da situação. A
menopausa não é mais do que uma peça de um puzzle que
é o envelhecimento.



Gravidez e dentistas
«Parto prematuro e baixo peso do recém-nascido podem
ser riscos se a grávida não for observada em consulta de
Medicina Dentária, antes e durante a gravidez», refere o
Dr. Carlos Adriano, Médico Dentista e de Clínica Geral.
Estudos realizados neste campo têm demonstrado um
aumento de prevalência da patologia periodontal, vulgo
«doenças das gengivas», como a gengivite, em grávidas.




Osteoporose
As mulheres pós-menopáusicas são as principais vítimas
da osteoporose, uma doença silenciosa que vai
enfraquecendo os ossos e aumentando o risco de
fracturas. Conheça mais sobre este problema e veja as
soluções que estão ao seu alcance.


Parecer positivo
A primeira vacina para a prevenção do cancro do colo do
útero e outras doenças causadas pelo papilomavirus
humano recebe opinião positiva da Agência Europeia do
Medicamento. Apenas sete meses após ter sido submetido
o pedido de autorização de comercialização, a vacina
ultrapassou o principal passo para obtenção da autorização
de comercialização na União Europeia.

falo connosco via skype.com adiciona nos mail
mailnp@sapo.pt
Insónia
A insónia é uma perturbação do sono, que se traduz
frequentemente por queixas de sono insuficiente, em
termos quantitativos ou qualitativos, e que provoca
alterações na qualidade do descanso do indivíduo.


Depressão
A depressão é uma doença que afecta cerca de
10% a 25% das mulheres ao longo da sua vida e
aproximadamente metade desse valor no caso dos
homens. Atinge praticamente todas as idades desde
as crianças até aos idosos e tem implicações sociais
marcadas, tornando-se num verdadeiro problema de
saúde pública face ao elevado número de pessoas
afectadas.

Vacina para cancro do colo do útero
A primeira vacina para a prevenção do cancro do
colo do útero e outras doenças causadas pelo
Papilomavirus Humano recebe opinião positiva da
Agência Europeia do Medicamento.

Amamentar
É sabido que o leite materno é o melhor alimento
para os bebés durante os primeiros meses de vida,
porém, nem todas as mulheres conseguem suportar
os inconvenientes da amamentação. Mamilos
gretados, peito inchado e dolorido e gotas
indesejáveis são as principais queixas de quem já
passou pela experiência.


Obstipação
Não raras vezes causadora de mal-estar geral, a
obstipação é uma doença que também provoca uma
forte inibição de a abordar por quem dela sofre.
Também conhecida como prisão de ventre, é mais
comum nas mulheres. >>


Epilepsia
Em Portugal, estima-se que 50 mil pessoas sejam
atingidas pela epilepsia, cuja manifestação mais
frequente são as crises epilépticas recorrentes. A
epilepsia é uma doença crónica do sistema nervoso
que se manifesta por ataques, que se verificam ao
longo do tempo, e tem sintomatologia variada

Mordeduras
Por vezes, os animais deixam de ser os melhores
amigos do homem. Acontece quando mordem ou
picam. Tanto as mordeduras como as picadas
podem ter como fim último uma «visita» às urgências
hospitalares. Porém, também as mordeduras de
humanos podem motivar tal deslocação ao hospital.
>>  
Ómega-3 de origem marinha
Raramente nos lembramos que a alimentação tem
um papel determinante na protecção e saúde do
nosso organismo. Não é por isso de estranhar que,
de tantas vezes que preferimos refeições ricas em
gorduras trans e saturadas (carnes gordas,
enchidos, manteigas e natas), os níveis de colesterol
andem nas alturas. >>

Rinite alérgica
Além de oferecer má qualidade de vida, a rinite
alérgica pode derivar em sinusite ou estar associada
à asma. Urge, pois, tomar medidas preventivas,
sobretudo, nas crianças que em tenra idade sofram
de dermatite atópica, ou tenham história familiar de
alergia. >>


NOTÍCIAS DA SEMANA
• Terapia livre de drogas combate a asma
Um tratamento livre de drogas ajudou os doentes a
controlar os seus sintomas de asma por até um ano,
descobriu um estudo.

Amamentar pode reduzir risco de HIV
Alimentar um bebé até aos seis meses apenas com
o leite da mãe pode reduzir significativamente o risco
de transmissão do VIH, segundo um estudo
realizado em África.

Insónia o pesadelo de quem não dorme
É necessário dormir um sono profundo e reparador
para que o organismo recupere energias e esteja
capaz de enfrentar um novo dia.



Saúde oral, flúor e crianças
É muito importante motivar e educar as crianças
quanto à importância do cuidado com os dentes o
mais cedo possível, principalmente se tivermos em
linha de conta que, de todos os grupos etários, são
as crianças as que têm mais tendência a sofrer
cáries, não só pela alimentação, como pela falta de
destreza manual para lavar a boca.




Alimentação na gravidez
«A maioria das dietas que consumimos actualmente
são deficientes em vitaminas e minerais e, por isso,
precisamos de suplementos adequados para
compensarmos essas deficiências. Esta situação
assume uma particular importância nas mulheres
grávidas, porque os bebés alimentam-se das suas
mães, logo, elas têm de ter uma alimentação
saudável e equilibrada.»




Menstruação no pós-parto: mitos e verdades
A hemorragia que ocorre após o parto é
menstruação - Falso
No pós-parto o sangue é expelido pelo útero e não
pelo endométrio, como ocorre na menstruação. A
hemorragia é consequência da involução do útero.
"A retirada da placenta e das membranas do saco
gestacional deixa expostos os vasos, antes
responsáveis pela oxigenação e nutrição do feto.
Por isso ocorre a hemorragia."




Gastroenterite pediátrica a rotavírus
A infecção a rotavírus é a causa mais frequente de
desidratação grave secundária a diarreia, em
crianças em todo o mundo e provoca cerca de meio
milhão de mortes todos os anos, em crianças com
menos de cinco anos de idade. Na União Europeia,
estima-se que cada ano, 87.000 crianças com
menos de cinco anos de idade sejam hospitalizadas.




Cordão umbilical: uma fantástica fonte de vida
Enquanto o bebé cresce no útero, um tubo
gelatinoso encarrega-se de lhe fornecer o oxigénio e
os nutrientes necessários ao seu crescimento,
vindos da circulação materna, e leva embora o gás
carbónico e as sobras do metabolismo. "Todas as
funções vitais do feto são supridas através do
cordão umbilical."



Saúde oral, flúor e crianças
É muito importante motivar e educar as crianças
quanto à importância do cuidado com os dentes o
mais cedo possível, principalmente se tivermos em
linha de conta que, de todos os grupos etários, são
as crianças as que têm mais tendência a sofrer
cáries, não só pela alimentação, como pela falta de
destreza manual para lavar a boca.